Quando terminou a graduação no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), em 1964, o professor Jurandyr Nascimento Garcez veio para Universidade Federal do Pará (UFPA) ajudar a fazer os cursos de Engenharia Elétrica e Mecânica. Em 1968 a primeira turma de Engenharia Elétrica foi formada, alguns foram para empresas e outros ficaram na universidade.

Quase 20 anos após a criação do curso de Engenharia Elétrica, os professores da Faculdade de Engenharia Elétrica (FEE) sentiram a necessidade de criar possibilidades para que os Engenheiros formados pela UFPA pudessem desenvolver e aplicar seus conhecimentos em pesquisas desenvolvidas na região.

Foi então que o professor José Augusto Lima Barreiros, então chefe do Departamento de Engenharia Elétrica, através da Portaria 03/84-DEE-CT-UFPA, designou a comissão para a viabilidade da implantação do curso de Mestrado em Engenharia Elétrica.

A comissão, composta pelos professores Gervásio Protásio dos Santos Cavalcante, Jurandyr Nascimento Garcez, Luciano Sérgio Brito Nicolau da Costa e Tadeu da Mata Medeiros Branco, elaborou o Estatuto aprovado pelos Conselhos Superiores da UFPA. No segundo semestre de 1985 o Mestrado em Engenharia Elétrica foi aprovado, sendo que o inicio efetivo do curso foi em março de 1986, tendo obtido recomendação da Capes no mesmo ano.

O engenheiro Jurandyr Garcez foi o primeiro coordenador do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da UFPA e também orientou, em 1988, a primeira Dissertação apresentada no Programa, do engenheiro João Carvalho Campos, sobre Dinâmica das Máquinas Elétricas.

O Professor Jurandyr explica que “inicialmente éramos poucos, então, fizemos a integração com outros cursos de Pós-Graduação. Tivemos contato com Professores que vieram nos aconselhar da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Essa troca de idéia nós permitiu criar as diretrizes básicas do Programa”.

O Programa, quando tinha apenas o Mestrado, apresentava linhas de pesquisa em Sistemas de Energia Elétrica, de Controles e Telecomunicações. Foi apenas em 1998, quando o Doutorado foi criado, que a Computação Aplicada começou a fazer parte do PPGEE.

O professor explica que a grande satisfação de ter ajudado a implementar o PPGEE é que “passamos a conviver mais com o setor produtivo atravez de projetos e convênios. Essa turma que está por aqui, a primeira geração, é a prova de que o curso foi melhorando tanto em quantidade quanto em qualidade”.

Para o Engenheiro, a melhor forma de fomentar o desenvolvimento científico é misturar conhecimento. E foi isso que o PPGEE fez quando incentivou os Mestres formados pela UFPA a fazer o doutorado em outras instituições. Jurandyr considera que hoje, graças a Pós-Graduação em Engenharia Elétrica, as pesquisas realizadas aqui podem se desenvolver melhor e os alunos participam mais das atividades fora de sala de aula.

Jurandyr resume a engenharia como “meu templo e a minha religião. É onde fiz minha carreira, é a minha vida. Eu poderia estar gozando a minha aposentadoria, jogando dominó, mas estou aqui, vendo novos engenheiros surgirem e ajudando da melhor maneira possível”.

O PPGEE - O Programa busca formar recursos humanos qualificados, além de promover a pesquisa e o aprofundamento de estudos técnicos e científicos relacionados ao campo da Engenharia Elétrica. Na busca de seu objetivo, o PPGEE estrutura-se hoje em três áreas de concentração: Sistemas de Energia Elétrica, Computação Aplicada e Telecomunicações.

O PPGEE da UFPA foi o primeiro e é considerado o melhor Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica da região Amazônica. As atividades acadêmicas regulares dos cursos de Mestrado e Doutorado são desenvolvidas principalmente nas Faculdades de Engenharia Elétrica e Engenharia de Computação, supervisionadas pela Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (CPPGEE).

O Programa tem tradição de liderança regional, tanto em ensino quanto em cooperações de pesquisas e serviços com empresas e indústrias. Esta cooperação tem contribuído significativa e continuamente para a modernização do parque industrial paraense, por meio da formação de recursos humanos altamente qualificados. A intensa produção científica dos professores do curso garante o alto nível acadêmico do mesmo, enquanto que as cooperações mantidas com as mais destacadas Instituições de ensino e pesquisa em Engenharia Elétrica do Brasil e do mundo, conferem um caráter contemporâneo à formação do aluno. Essas atividades garantem a sua avaliação nível Cinco na Capes, dos seis níveis de avaliação.

O Programa já formou mais de 514 Mestres e 154 Doutores.